Pages

5 de fevereiro de 2009

Fidelidade da Bíblia

Este é um espaço público e por isso é importante que todos os leitores se sintam bem recebidos. Só neste sentido é que vale a pena tirar tempo para esclarecer coisas importantes. Este é um ponto que é importante para mim.

A fidelidade das Escrituras é um assunto clássico de teologia. Existem vários argumentos que levam cristãos e não-cristãos a aceitar que os livros da Bíblia conservam a sua forma original. Vou mencionar alguns.

Sob a capa da religião muito poder se conquistou e muito mal se fez. Mas a verdade é que quando Roma adoptou o cristianismo, as Escrituras deixaram de ter muita importância. Na Idade Média o analfabetismo estava na casa dos 90% e os poucos que sabiam ler teriam que aprender uma língua estrangeira (latim) se quisessem perceber alguma coisa (e ai dos que contrariassem as doutrinas do Papa). Portanto, nunca houve muita necessidade de alterar as escrituras, pois o que os padres diziam era tido como verdade e estes eram pouco menos ignorantes que o povo. Foi exactamente por os padres começarem a ler as escrituras que se deu a reforma no séc. XII.

Assim, o maior argumento é o facto de serem as próprias escrituras a condenar aqueles que supostamente as teriam alterado. Aliás, condenam ainda hoje muitas doutrinas da igreja romana. Outro facto é que os textos estão em acordo com os fragmentos arqueológicos datados dos primeiros séculos. E, finalmente, não existe quem ponha os textos em causa de forma concreta, ou seja, não há quem dê um exemplo de um texto que tenha sido alterado de “a” para “b”.
As acusações de deturpação dos textos partem na maioria das vezes de quem nunca leu.

Mais fácilmente aceitaria a possibilidade de Deus não existir, do que a deturpação da Bíblia por outras entidades.

6 comentários:

Érica disse...

mas se forem a ver numa passagem diz " nao adoraras nnhuma imagem ", e vamos a ver olhamos pás igrejs na sua maioria e é só anjinhos, santos, e a cena da crucificação.

AiZack disse...

Cara Érica, concordo plenamente!...e também o autor deste post:

«Assim, o maior argumento é o facto de serem as próprias escrituras a condenar aqueles que supostamente as teriam alterado. Aliás, condenam ainda hoje muitas doutrinas da igreja romana.»

Achas estranho o facto de concordarmos contigo?! (perdoa-me o informalismo)
Antes de se fazerem conjecturas baseadas "no que é habitual" (ou melhor, no que se pensa que se sabe), que tal se se procurasse realmente saber, ter interesse em conhecer?

Como já foi diversas vezes referido neste blog, és bem-vinda...

Anônimo disse...

Só uma pequena informação:
este blog é de uma igreja evangélica, ou mais habitualmente conhecida por "protestante". Ou seja tem por base as reformas feitas na igreja catolica romana no sec. XII.

Àgape disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Àgape disse...

No livro de Jeremias mais concretamente no capítulo 36 e adiante, vemos que a Palavra de Deus era transmitida a Jeremias que por sua vez a transmitia ao escrivão Baraque para que a escrevesse!

Essa passagem relata que o rei na altura não gostou da mensagem de Deus e queimou o manuscrito!
Se continuarmos a leitura vimos que Deus fez com que Baraque voltasse a escrever tudo de novo com um pequeno acrescento...o castigo que recairia sobre aquele rei e as suas gerações não só por causa da desobediência, mas também pela sua atitude perante a soberana vontade dEle!

Eu acredito que tal como aconteceu naquele tempo, Deus não deixaria que a Bíblia que temos hoje fosse deturpada de forma alguma...

Daniel M.S. disse...

Exactamente! Contudo,apesar das várias versões e quantidades de Bíblias que abundam no mercado os "evangélicos" no geral, não lêem a Bíblia. Por isso 90% dos evangélicos são analfabetos biblicos. Isso por conta, não só do liberalismo, mas essencialmente poque não se amam as Escrituras.A Bíblia não precisa de defesa, ela é a Palvara de Deus, inerrante, viva e eficaz, luz para os peregrinos e forasteiros deste mundo. Ela é a nossa única "regra de de fé e prática". Sempre sujeita a más interpretações e deturpações ao longo dos séculos, sempre vítima de especulações.O que precisamos de facto é ler a Bíblia ou aprender a ler a Bíblia sob a orintação do E.S. e assim tirar proveito dela. A questão não é a "fidelidade das escrituras", mas sim a nossa fidelidade e amor a ela.